Cabo reformado é preso por suspeita de integrar grupo de extermínio no Maranhão

Segundo as investigações, cabo reformado seria o líder do grupo de extermínio — Foto: Reprodução/TV Mirante
Segundo as investigações, cabo reformado seria o líder do grupo de extermínio

Uma operação realizada nesta quinta-feira (1º) pela Polícia Civil prendeu o cabo reformado, José Nascimento Freitas Matos, e um segurança identificado como Jaldemir Rabelo Amaral, por suspeita de integrarem um grupo de extermínio no Maranhão.

De acordo com as investigações do Departamento de Homicídios do Interior, o cabo reformado José Nascimento Freitas Matos, apontado como o líder do grupo e os demais integrantes, usavam roupas de policiais para assassinar pessoas que teriam ligação com o tráfico de drogas na região do município de Icatu, localizado a 115 km de São Luís.

Segundo a polícia, dentre as vítimas identificadas estão Bruno Pinheiro dos Santos e Werne da Silva Assis. As prisões aconteceram na residência do cabo reformado, onde foram apreendidos coletes a prova de balas, botas, bala-clavas, lanternas táticas, fardamentos de segurança privada e da Polícia Militar, munições e revólveres de uso exclusivo da polícia.

Apreensões feitas pela polícia foram realizadas na casa do cabo refomado — Foto: Reprodução/TV Mirante
Apreensões feitas pela polícia foram realizadas na casa do cabo refomado

Fonte: G1MA

Primeiro caso de importunação sexual em ônibus é registrado em São Luis e resultou em prisão

O fato aconteceu na tarde de ontem por volta das 14h nas proximidades do Terminal de Integração do São Cristóvão. Uma adolescente de 14 anos estava se sentindo incomodada quando um homem começou a importuná-la sexualmente no interior de um ônibus. 

Militares Lisboa e Patrik, do 6º BPM, que estavam de prontidão no plantão no terminal efetuaram a prisão de José Ricardo Fonseca Carvalho (foto abaixo), 49 anos, residente no João Paulo, após receberem reclamações de populares.

Foi o primeiro registro oficial de Importunação Sexual em nossa capital, que agora virou crime com penas que podem chegar de um ano a cinco anos de cadeia.

O crime se caracteriza pela importunação sexual com a a prática de ato libidinoso na presença de alguém e sem sua anuência. Geralmente eles ocorrem mais dentro de ônibus. Portanto, você mulher, quando sentir importunada por alguém homem dentro do coletivo, reclame bem alto e chame a atenção dos presentes, mas antes deixa que alguém olhe para servir como testemunha do crime.

Fonte: Luis Cardoso

Esquema movimentou R$ 222,9 milhões em contratos irregulares com 17 prefeituras

O Ministério Público do Maranhão anunciou nesta quarta-feira (31) os detalhes da prisão de 10 pessoas na segunda fase da Operação Cooperare, que apura irregularidades na contratação da Cooperativa Maranhense de Trabalho e Prestação de Serviços (Coopmar) pela prefeitura de Paço do Lumiar, que rendeu R$12.929.170,11 à cooperativa.

As prisões foram decretadas pelo juiz da  1ª Vara Criminal de São Luís sob acusações de lavagem de dinheiro, organização criminosa e peculato. A Coopmar, no entanto, tinha contratos com 17 prefeituras maranhenses, além da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão (Famem). O total de recursos movimentados pela entidade foi de R$ 222.919.681,14.

As investigações apontaram que cerca de um terço dos valores movimentados teriam sido desviados pela organização criminosa e que a quadrilha investia os recursos públicos desviados em outras empresas, que serviam para a lavagem de dinheiro. É o caso da Agropecuária Bela Vista, de Gleydson de Jesus Gomes Araújo, considerado o líder do esquema, e Marcelo Antônio Muniz Medeiros, que recebeu cerca de R$ 3,5 milhões da Coopmar.

Gleydson Araújo também teria determinado a substituição do HD do computador da Coopmar, evitando que os dados da empresa fossem conhecidos no caso de uma operação de busca e apreensão. Ele também tinha a intenção de distorcer e mascarar os dados a respeito da cooperativa a ser apresentados à CGU.

Já Raildson Diniz Silva, primo de Gleydson Araújo, possui duas empresas que receberam quase R$ 900 mil da cooperativa e atuam como franquias. Uma delas, de uma marca de relógios, possui quiosques em São Luís-MA, Fortaleza-CE, Belo Horizonte-MG e Contagem-MG. Outras duas franquias também foram utilizadas no esquema de lavagem de dinheiro, além de uma loja de veículos pertencente a Aislan Denny Barros Alves da Silva.

Já se descobriu que os recursos foram aplicados, também, em 10 veículos, mais de 300 animais, entre outros bens ainda ocultos.

Também preso, Marbem Bezerra era um dos principais operadores da Coopmar, responsável por arregimentar cooperados. A mesma função de Artur Costa Gomes e Raildson Silva, que atuavam no aluguel de imóveis, representando a Coopmar em licitações e como elo com prefeituras com as quais a cooperativa mantinha contratos.

Hilda da Silva atuava na montagem de documentos, aproveitando-se da experiência adquirida em outras cooperativas. Cabia a ela confeccionar a documentação que a Coopmar entregaria à CGU, em parceria com Artur Gomes e Raildson Silva.

Já Carlos Alex Prazeres era o responsável pelo setor financeiro da cooperativa, com poder de movimentar contas bancárias, emitir e endossar cheques da entidade. Também foram presos o gerente do Banco do Brasil Peterson Santos, que operava no sistema bancário de forma decisiva para a lavagem de dinheiro da organização criminosa, e Lucas do Nascimento, “laranja” de Raildson Silva.

Fonte: Neto Ferreira

Homem é preso suspeito de estuprar as três irmãs adolescentes no município de Paraibano

Um homem foi preso suspeito de estuprar as três irmãs adolescentes, no município de Paraibano. O cumprimento do mandado de prisão contra Bruno Araújo Damasceno se deu nessa última quarta-feira (31).

Outro caso
Em Itapecuru-Mirim, a polícia cumpriu mandados de prisão, nessa quarta, em desfavor de Luís Neves Conceição, Leandro Martins Marinho e Benedito da Guia Rocha, conhecido como “Joazinho”. Segundo a polícia, o trio é suspeito de estupro de vulnerável, tendo como vítima uma criança de 12 anos de idade.

Fonte: Mirante

Edésio Nascimento nas páginas policiais após ser enquadrado na Lei Maria da Penha

Edésio Araújo do Nascimento voltou a estampar as páginas policiais após a PM ser acionada para atender uma ocorrência de violência contra mulher. Edésio segundo testemunhas se desentendeu com Emanuele Ravane Soares Martins, desferindo-lhe golpes, a vítima em contrapartida acionou a PM e o cantor acabou se evadindo do local, sendo encontrado logo em seguida em um bar da cidade de Pinheiro. Fora feito a abordagem e a condução do mesmo sem lesões corporais à Delegacia de Polícia Civil.
Fonte: Cidade de Verdade